Publicado por Redação

Também conhecida como erva-de-espírito-santo e jacinto-da-india, a angélica é uma planta medicinal cujo nome científico é Angelica archangelica L. Planta da família das umbelíferas, é alta e suas hastes, saturadas de açúcar ou vinagre são usadas por confeiteiros e pasteleiros, e servem para decoração dos produtos. Originária do norte da Europa e da Ásia, a planta prefere lugares frios e úmidos, perto de rios e pântanos.

Angélica

Foto: Reprodução

Propriedades, princípios ativos e indicações

Com propriedades tônicas, anti-inflamatórias, depurativas, sedativas, diuréticas, expectorantes, hepatoprotetoras, antiespasmódicas, eupépticas e emenagogas. Possui como princípios ativos óleos essenciais, angelicina e ácidos orgânicos.

É indicada para casos de depressão, neurose e debilidade nervosa. A planta é eficaz no tratamento de falta de apetite, enxaqueca, afecções do aparelho digestivo, má digestão, dilatação do estômago, cólicas abdominais, icterícia, insuficiência hepática, flatulência, diarreia, vômitos, afecções do aparelho respiratório, tosse catarral, amigdalites, faringites, rouquidão, gripes, edema perimenstrual, doenças do trato urinário, dores de cabeça, histeria, feridas entre outras enfermidades. Quando aplicada externamente, ajuda a diminuir a dor nos ossos, como em casos de reumatismo.

Contraindicações e efeitos colaterais

Pacientes com histórico de sangramentos não devem consumir a erva. O contato do suco da erva com a pele causa foto-sensibilização e o consumo de angélica potencializa os efeitos das heparinas de baixo peso molecular de agentes trombolíticos. A planta também não deve ser consumida por mulheres em período de amamentação, crianças com problemas neurológicos ou pessoas que apresentam sinais ou já têm o mal de Parkinson. Após a manipulação da planta, evite tomar sol.

Chá de angélica

O uso medicinal da planta aplica qualidades ao caule, raízes, sementes e folhas de angélica. O chá depurativo e diurético é feito com 800 ml de água e 20 g da raiz de angélica. Coloque a água para esquentar e deixe ferver. Adicione a raiz de angélica, deixe por mais dez minutos, coe e beba. A dose é de uma xícara do chá três vezes ao dia.

O licor de angélica

Com esta planta, pode-se fabricar ainda um licor que possui virtudes das infusões e das tisanas. Para o preparo, corte 30 g da planta em pedaços pequenos e deixe durante quatro ou cinco dias em maceração em dois litros de conhaque junto com 30 g de amêndoas amargas em pasta. Após este período, coe em um pano de linho e junte a um litro de melado de açúcar.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.