Publicado por Redação

Pertencente à família das Scrophulariaceae, esta planta tem como nome científico Verbascum thapsus. Contudo, é mais conhecida como barbasco. Em outras regiões também pode ser chamada de verbasco, candelariae, tripo e gordoloboe.

Apesar de ser uma planta nativa de continentes como a África, Ásia e Europa, esta erva passou a ser utilizada em todo mundo devido às propriedades medicinais que ela possui. À princípio, pode-se dizer que barbasco é uma aliada do sistema respiratório e da pele. Mas, além destas funcionalidades, é também um excelente remédio natural no tratamento de outros problemas de saúde.

História e aspectos

Quem acredita que esta planta só foi descoberta pelos cientistas há pouco tempo, está enganado. Isto porque, trata-se de uma erva mitológica da cultura grega. Para a população da Grécia, as folhas secas serviam na produção de pavios. Além disso, os romanos também atribuíram uma função aos talos desta planta, transformando-os em tochas após um banho de sebo.

Barbasco

Foto: depositphotos

Com relação a planta em si, pode-se dizer que ela possui folhas aveludadas e flores, que no verão ficam amareladas. Já quando a época do ano é o outono, as sementes se desenvolvem, deixando a árvore repleta de pontos pretos. As partes utilizadas para fins medicinais são as flores, folhas e raízes.

Propriedades desta planta

  • Anódina;
  • Antialérgico,
  • Anti-inflamatório;
  • Antitussígeno,
  • Demulcente;
  • Diurético;
  • Emoliente;
  • Expectorante;
  • Narcótica;
  • Sedativa.

Benefícios proporcionados pelo barbasco

É indicada para o tratamento de problemas respiratórios, como tosse, resfriados, gripes, rinite, bronquite, faringite e até mesmo asma. Também é uma ótima aliada no processo de cicatrização da pele, pois é um remédio natural para o tratamento de dermatite, furúnculo, queimaduras e escoriações. Todavia, além destas utilizações, o barbasco pode ser usado em casos de hemorroidas, diarreia e até como um medicamento antirreumático.

Contraindicações

Mulheres grávidas ou que estão em período de lactação não podem fazer uso desta planta. Assim como também crianças menores de 12 anos, que ainda não possuem um organismo forte o suficiente para interagirem com as propriedades e os efeitos químicos desta planta.

Além destas recomendações, é preciso lembrar que o paciente deve procurar o médico assim que apresentar determinados distúrbios na saúde. Tendo em vista que a automedicação pode piorar ainda mais o quadro clínico do indivíduo. É imprescindível seguir as recomendações propostas pelo profissional da saúde. Vale ressaltar ainda, que até utilizar esta planta nas proporções indicadas pelo especialista evita outros problemas relacionados ao uso exacerbado deste medicamento natural.