Publicado por Redação

Conhecida pelas suas propriedades terapêuticas e ao mesmo tempo venenosa, a cuieira é uma planta que pertence à família das Bignomiáceas. Porém, quando utilizada da maneira correta e subsidiada pelos conhecimento apropriados, a cuieira pode ser usada como medicamento natural, pois possui propriedades antiasmática, emoliente, expectorante e laxante.

A cuieira é uma árvore baixa, chegando a medir cerca de 15 metros de altura, porém muito frondosa. Ela possui o caule tortuoso, fornecendo madeira castanho amarelada com veias mais escuras. Ao mesmo tempo que é flexível é bastante forte. Na época de sua frutificação a quantidade de frutos é tão grande que os seus galhos vergam devido ao peso.

Ela é bastante comum no Brasil, sendo identificada com mais facilidade da Amazônia até o Rio de Janeiro, passando por Goiás. Dependendo do local onde é encontrada pode ser conhecida por vários outros nomes. Entre os principais, destaque para árvore-de-cuia, cabaceira, coité, cuité e cuiteseira.

Cuieira

Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

Propriedades medicinais da cuieira

A cuieira possui muitas propriedades terapêuticas. Elas fazem parte do conhecimento popular há muitos anos. Nesse sentido, muitas partes da planta podem ser utilizadas. O decocto e o extraio da casca são muito eficazes para a cura da enterite membranosa e da hidropisia. O suco da cuieira já foi muito empregado na medicina caseira como antispasmódico e antitétanico e é nocivo aos suínos.

A polpa do fruto ainda verde, embora amarga e até mesmo corrosiva, é eficiente contra a hidrocele, sendo usada também como remédio febrífugo, purgativo e expectorante. A planta é muito útil contra a clorose e as doenças que afetam as vias respiratórias. Comprovadamente, a planta pode ser usada para tratar problemas respiratórios, como a asma e dores de cabeça.

Cuidados

Como foi dito no início do texto, a cuieira é uma planta venenosa, por isso se deve tomar bastante cuidado ao utilizá-la. Entre os animais, por exemplo, mais precisamente para o gado, ela possui efeito abortivo. Já em relação ao uso medicinal, vale a pena consultar um médico. Ele é o profissional mais indicado para certificar a utilização segura.

Veja mais!