Publicado por Redação

As plantas vêm sendo usadas na medicina alternativa desde os nossos ancestrais. A flor de cone, também conhecida por equinácea, é usada pelos índios nativos americanos desde o século 17.

Os antepassados a usavam para tratar de infecções e tumores. Mas seu principal uso era para aliviar as picadas deixadas por serpentes ou outros animais venenosos.

Nas culturas indígenas, a flor de cone era fumada e assoprada nos narinas dos cavalos, com o intuito de acalmá-los. A mesma fumaça servia para aliviar dores de cabeça, por exemplo.

flor-de-cone

Foto: depositphotos

A raiz dessa flor também era usada na medicina alternativa. Mastigá-la proporciona uma sensação de alívio das dores de dente, inflamações na garganta e caxumba.

Já o suco dessa raiz podia ser usado como uma espécie de “pasta” para aliviar queimaduras e feridas.

Mas o uso da flor como uma remédio caseiro não parou no meio da história. Ela foi trazida pelos ingleses e, até os dias de hoje, é lembrada em diversos tipos de tratamentos alternativos.

A flor de cone tem princípios antivirais, anti-herpes, anti-inflamatória, desintoxicante, anti-alérgica, anti-acne, antimicrobiana, antisséptica e antibacteriana.

Além disso, ela é afrodisíaca, elimina as toxinas e resíduos do organismo e fortalece o sistema imunológico.

A planta ainda é ótima para enfeitar e alegrar ambientes, pois possui uma belíssima variedade de cores como rosa, laranja, amarelo e branco.

Como usar a flor de cone

Seu uso pode ser a partir de suas flores, raiz ou folhas, através de bebidas ou compressas.

Chá para gripe

Ingredientes

  • 1 colher (de chá) de raiz ou folhas da flor;
  • 200 ml de água.

Modo de preparo

Ferva a água e adicione a colher das flores. Abafe a bebida por 15 minutos. Coe antes de beber e consuma duas vezes por dia.

Compressa para artrite

Amasse as folhas e a raiz da flor de cone até que uma pasta seja formada. Com o auxílio de um pano umedecido com água quente, aplique a pasta sobre a região afetada.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.