Publicado por Redação

A planta maria preta também leva os nomes de maria-pretinha, erva-moura, erva-de-bicho, caraxixá, erva-de-mocó, guaraquinha, pimenta, pimenta-de-cachorro, pimenta-de-rato, pimenta-de-galinha, araxixu, pimenteira e maria-milagrosa, fazendo jus ao seu último nome, já que pode ser usado em diversos tipos de tratamentos naturais.

A espécie é usada na medicina alternativa em várias regiões do mundo. Apesar de trazer tantos benefícios para à saúde, a planta também apresenta riscos; suas folhas cruas e seus frutos verdes são extremamente perigosos, devido a presença de glicoalcalóides, tornando-as venenosas.

Maria preta

Foto: reprodução/ wikimedia

Quando essa substância é ingerida, ela pode gerar sintomas como depressão e trazer danos ao sistema nervo central.

A melhor maneira de aproveitar os benefícios que a maria preta traz para o organismo é através do chá das suas folhas obtido por decocção.

A bebida pode ser usada para tratar problemas como excitação nervosa, cólicas, reumatismo, artrite, nevralgia, ferimentos, afecções das vias urinárias, espasmos na bexiga, dores musculares, no estômago, articulações e na coluna, psoríase, eczema, úlceras, contusões, hidropsia, é um ótimo vermífugo natural e serve para aliviar o prurido.

A maria preta é uma planta com propriedades diuréticas, laxantes, anafrodisíaca, emoliente e elimina as toxinas e resíduos do organismo.

As folhas da maria preta são empregadas contra queimaduras, feridas, furúnculos, abscessos, tanto na forma de lavagem como na decocção como forma de “pasta” de suas folhas secas.

Essa deccoção também pode ser usada para tratar espasmos e sua maceração pode ajudar a tratar picada de cobra.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.