Publicado por Redação

O mentrasto é uma planta baixa, com flores claras e que cresce durante todo o ano. Ela pode ser encontrada em todas as regiões do país e possui diversas propriedades medicinais.

Essa planta pode alcançar até 1 metro de altura e floresce, geralmente, no início da primavera. Por ser uma planta fácil de ser encontrada ela é conhecida por vários nomes. Os principais são erva de São João, catinga de bode e picão roxo. O nome científico dela é ageratum conyzoide L.

O mentrasto também é uma erva de cheiro forte e sabor amargo que pode ser consumida em forma de chá, tintura, pó ou até em cápsulas. Neste artigo você irá conhecer tudo sobre as propriedades medicinais desta erva e ainda quais as formas de uso.

Para que serve o mentrasto?

O mentrasto é uma planta com diversos usos medicinais. O principal deles é no tratamento de infecções, especialmente as dos tratos respiratório e urinário.

Os medicamentos feitos com a erva também são usados no tratamento de doenças como a artrose. Sendo responsável por auxiliar no alívio das dores e inchaço que são causados pela doença.

Flores roxa de mentrasto

Essa planta também é conhecida por erva de São João, catinga de bode e picão roxo (Foto: depositphotos)

Outro uso comum da erva é para o alívio dos sintomas da TPM, tensão pré-menstrual e também para o tratamento de cólicas menstruais. O chá de mentrasto também ajuda no tratamento de febre, dores musculares e a tosse. Por isso é muito usado em casos de gripes e resfriados.

Da mesma forma, a erva pode ser uma ótima aliada em problemas respiratórios, além de estimular o apetite. De acordo com algumas pesquisas, a erva pode ajudar na recuperação de mulheres no período do pós-parto e a diminuir os sintomas da menopausa.

A erva ainda pode ser útil no tratamento de diarreia e outros problemas intestinais. Além de ser indicada, pelo conhecimento popular, como um auxiliar no controle de hemorragia.

Tudo isso se deve ao fato do mentrasto possuir propriedades analgésicas, anti-inflamatórias, no tratamento de infecções e diuréticas.

Veja também: Cistus Incantus

Qual as formas de uso?

O mentrasto é uma planta versátil, portanto pode ser usada de várias maneiras diferentes. Também podem ser usadas todas as partes da planta. Ou seja, desde as raízes até as folhas e flores.

O principal modo de uso é o chá, que pode ser feito com as folhas e flores da planta.

Para isso, basta colocar 1 xícara de água para ferver. Logo depois, adicionar 1 colher (de chá) de folhas e flores de mentrasto e deixar ferver por alguns minutos.

Esperar esfriar e beber a infusão de duas a três vezes por dia. O ideal é que o chá não seja adoçado, mas caso queira, pode colocar um pouco de mel.

Um outro uso comum é a tintura. Ela pode ser encontrada já pronta, em lojas de produtos naturais ou ser feita em casa. Para isso basta misturar 1 xícara (de chá) de folhas frescas da erva com 5 xícaras (de chá) de álcool etílico.

Os ingredientes devem ser postos em uma garrafa fechada, para evitar que o álcool evapore. Basta deixar a mistura em infusão por alguns dias. Essa tintura é ideal para o alívio das cólicas menstruais. Para isso basta colocar 10 gotas na água e beber ou massagear o local.

Uma terceira forma de uso é em pó, que também é encontrado em lojas de produtos naturais. Este pó deve ser misturado com a água ou suco e bebido de duas a três vezes ao dia.

Por fim, a erva pode ser usada para lavar as articulações. Para isso basta fazer um chá forte com todas as partes da planta e mergulhar as mãos ou pés nele. O ideal é que a infusão esteja morna, para ajudar a aliviar dores de artrite.

Chá de mentrasto serve para engravidar?

Algumas pessoas relacionam o consumo do chá de mentrasto com a gravidez. Por isso, ele é indicado para quem possui problemas para engravidar ou manter uma gestação.

No entanto, não existem estudos conclusivos em relação a isso. Ou seja, não existem provas de que o chá da planta seja realmente responsável por uma melhora na fertilidade em mulheres.

O que pode acontecer é que o mentrasto pode ajudar a regular os níveis hormonais. Por isso é indicado para os sintomas da TPM e menopausa. Isso, em tese, faria com que o útero se preparasse melhor para receber um óvulo fecundado.

E para tratamento de depressão?

Outro uso para o qual o chá feito com as folhas de mentrasto é indicado é para o tratamento de pessoas com depressão. De acordo com alguns estudos, existem sim propriedades na erva que ajudam a diminuir os níveis dos hormônios que causam a ansiedade.

Veja também: Coentro

Ela também pode ser usada como um calmante natural. Fazendo com que as pessoas se sentissem mais calmas e confortáveis. Portanto, podendo ser usado como um aliado no tratamento de pacientes depressivos.

Flores de mentrasto

O mentrasto pode ser usado como chá, tintura e em pó (Foto: depositphotos)

Contudo, os remédios naturais devem ser complementos dos tratamentos médicos convencionais. Desse modo, é indicado procurar um médico antes de iniciar o consumo e nunca interromper os tratamentos sem orientação de um especialista.

Onde encontrar o mentrasto?

O mentrasto é uma planta comum e pode ser encontrada em todos os estados do Brasil. Comumente é vista crescendo em hortas ou terrenos baldios, por isso muitas pessoas podem não saber das suas propriedades medicinais.

Outro local onde a erva pode ser vista é em feiras de ervas. Lá elas podem ser encontradas secas ou frescas. Por fim, os derivados do mentrasto, como a tintura e o pó por exemplo, são encontrados em lojas de produtos naturais ou fitoterápicos.

Caso queira buscar a erva por conta própria é preciso ficar atento às características dela. Sendo assim, o mentrasto pode ter flores em tons de rosa, lilás ou branco e geralmente floresce no início da primavera.

No resto do ano ele pode ser reconhecido pelo cheiro forte e por possuir folhas escuras e ovaladas. No entanto, lembre-se na dúvida não utilize nenhum derivado da planta.

Veja também: Cravinho

Contraindicações

Como qualquer outro medicamento de origem natural, o mentrasto também possui algumas contraindicações. Por isso, pessoas diabéticas ou que possuem problemas hepáticos devem evitar o consumo de qualquer um dos derivados da erva.

Ainda por cima gestantes, idosos, lactantes e crianças pequenas só devem consumir pequenas doses e sempre acompanhadas por um médico.

Outra indicação é que o consumo de altas doses da erva pode acarretar em problemas alérgicos. Por isso, o consumo diário deve ser interrompido a cada três semanas.

Por fim, evitar consumir o chá ou a tintura mais do que três vezes ao dia. Qualquer sintoma contrário é importante procurar ajuda médica imediatamente.