Publicado por Redação

Indicada como elemento complementar no tratamento da malária, o quinino é uma planta da família das Rubiaceae. Trata-se de uma substância natural retirada da casca de uma planta medicinal conhecida como cinchona-vermelha, casca-peruana e casca-dos-jesuítas. Apesar de ser uma planta seu uso deve ser feito por indicação médica.

Propriedades medicinais

A planta possui propriedades medicinais adstringente, antitérmica, cicatrizante, vulnerária, febrífuga, antimalárica. Por isso seu uso é bastante difundido entre as pessoas que conhecem os reais benefícios da planta. Mas, é preciso ter cuidado ao usufruir deles.

quinino

Foto: reprodução/wikipedia

O quinino é utilizado para complementar o tratamento da malária, eliminando o vírus da doença. Porém, apesar de ser a forma de uso mais conhecida da planta, seus benefícios para a saúde humana não se restringe a apenas esse. Ela também pode ser usada para diminuir a febre, tratar espasmos e reduzir o batimento cardíaco.

A espécie combate ainda a neuralgia, fibrilação cardíaca, garganta dolorida, dispepsia, feridas no corpo, calvície e gota.

Uso do quinino

O quinino só deve ser usado na forma de cápsulas após indicação do médico. O preparo da forma caseira não é indicado, sobretudo na forma de chás ou infusões. Isso porque, uma série de efeitos colaterais e cuidados mais específicos devem ser tomados pelo paciente.

O consumo em excesso da planta pode desencadear aumento dos batimentos cardíacos, náuseas, confusão, visão embaçada, tonturas, hemorragias e problemas no fígado. Outros efeitos associados a ela são: enxaqueca, brotoeja, dor abdominal e surdez.

Contraindicações

O uso do quinino deve ser evitado pelas grávidas ou mulheres que estão em processo de amamentação, pacientes com depressão, problemas de coagulação do sangue ou doenças hepáticas.

Já entre as pessoas que fazem uso de remédios para o tratamento de qualquer outra doença, o uso do quinino também deve ser evitado.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.