Publicado por Redação

A romãzeira, de nome científico Punica granatum, é originária do centro do Oriente Próximo, que inclui as regiões do interior da Ásia Menor, a Transcaucásia, o Irã e as terras altas do Turcomenistão, ao lado de outras plantas frutíferas como a figueira, macieira, pereira, castanheira e outras.

Trata-se de uma arvoreta que pode chegar a atingir até 5m de altura, de tronco acinzentado e ramos avermelhados, que dá origem ao fruto do tipo balaústra, a romã. Este fruto possui importância milenar, aparecendo nos textos bíblicos e sendo associado às paixões e à fecundidade.

Características da romãzeira

A romãzeira pertence à família das Puniáceas e se adapta desde os climas tropicais e subtropicais aos temperados e mediterrânicos. Pode apresentar o formato de pequena árvore ou de arbusto, muitas vezes sendo podada em formas redondas ou ovais para adornar os jornais.

Este arbusto ou árvore de pequeno porte apresenta ramos espinhosos; folhas opostas e inteiras; flores que nascem nas axilas das folhas e são solitárias ou agrupadas de duas a três; e frutos de formato esférico, coroados do cálice, com casca amarela ou avermelhada, conhecida por romã.

As sementes da romã são numerosas e cobertas por um tegumento espesso, de cor rósea avermelhada e de sabor levemente ácido. A romãzeira pode ser cultivada em grande variedade de solos, com preferência pelos profundos e sempre sob sol pleno. Também pode se adaptar a qualquer tipo de clima, no entanto, prefere um clima mais ameno.

Esta planta possui muitas utilidades, incluindo a produção de frutos ou como ornamental em jardins e parques.

As partes utilizadas da romãzeira incluem os seus frutos, a casca dos frutos e das raízes e as folhas.

Árvore romãzeira

Foto: Pixabay

Os benefícios

A romãzeira contém propriedades antisséptica, anti-inflamatória, antioxidante, adstringente e diurética. Devido às suas propriedades, esta planta é indicada para tratar afecções da boca, olhos e pele; amigdalites, doenças cardíacas e cólicas intestinais.

Não há dúvidas de que a parte mais conhecida e utilizada da romãzeira é a sua fruta denominada romã, que contém propriedades medicinais conhecidas desde a antiguidade.

Fruta exótica e milenar, a romã possui propriedades antioxidante, mineralizante, refrescante e emagrecedora. A fruta é rica em vitaminas A, do complexo B e C, além de fibras que ajudam a reduzir o nível do “mau colesterol” (LDL) e atua na prevenção de infartos, derrames e diabetes.

A romã pode ser consumida in natura e utilizada no preparo de um suco, além de ser acrescentada a saladas e molhos. A casca da fruta também pode ser utilizada para o preparo de um chá que funciona como um excelente remédio natural para tratar infecções de garganta e gripes.

Chá de casca de romã

Graças às suas propriedades anti-inflamatórias e antissépticas, o chá da casca de romã é um ótimo aliado para tratar a garganta.

Para preparar o chá, basta seguir estas orientações:

Ingredientes:

– 6 gramas da casca da romã;
– 1 xícara de água.

Modo de preparo:

Deixe as cascas fervendo por apenas alguns minutos, depois coe a mistura. Beba o chá em temperatura morna, pois, caso esteja quente demais, pode causar efeito contrário e prejudicar a garganta.

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.