Publicado por Redação

A sete-sangrias (Cuphea carthagenensis) é uma planta da família das Litráceas e também pode ser popularmente conhecida como guanxuma-vermelha, balsamona, chiagari, cuféa ou erva-de-sangue. A planta é encontrada nas Américas Central e do Sul, desde o México até o Uruguai. No Brasil, desenvolve-se principalmente nos estados de Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Antigamente, as pessoas costumavam ser curadas por sangrias, e esta herbácea prometia ser tão poderosa na cura de doenças que valeria por sete sangrias, tendo aí a origem de seu nome.

Sete-sangrias

Foto: Reprodução

As propriedades da planta

A sete-sangrias possui diversas propriedades: adstringente, antidiarreica, laxativa, antiobésica, antirreumática, antissifilítica, anti-hipertensiva, balsâmica, cardiotônica, depurativa do sangue, digestiva, diurética, diaforética, sedativa, sudorífera e tônica.

Benefícios

  • Combate a arteriosclerose, hipertensão arterial e palpitações;
  • Limpa o estômago e os intestinos;
  • Combate doenças venéreas e afecções da pele;
  • Controla arritmias cardíacas;
  • Auxilia no tratamento da insônia;
  • Facilita a eliminação do ácido úrico;
  • Combate o enrijecimento das paredes das artérias;
  • Age contra a irritação das vias áreas.

Como preparar e utilizar o chá de sete-sangrias?

– Para arteriosclerose, hipertensão arterial, palpitações do coração, diurético: em uma xícara de chá, colocar uma colher (chá) da planta fatiada e adicionar água fervente. Abafar por 10 minutos e coar. Tomar uma xícara de chá, de uma a três vezes ao dia.

– Para tosse dos cardíacos, respiração difícil, irritação das vias respiratórias, insônia: em uma xícara de chá, colocar uma colher (sopa) da planta fatiada e adicionar água fervente. Abafar por 10 minutos, coar e adicionar uma xícara de chá de açúcar. Levar ao fogo brando, até dissolver o açúcar. Tomar uma colher (sopa), de duas a três vezes ao dia.

– Para ativar a circulação sanguínea e função intestinal, nervosismo, depurativo, diurético: colocar duas colheres (sopa) da planta fatiada em uma xícara de chá de álcool de cereais a 70%. Deixar em maceração por 8 dias e coar. Tomar de 10 a 15 gotas ou uma colher (café), diluído em um pouco de água, de duas a três vezes ao dia.

– Para afecções da pele, psoríase, eczemas, feridas, úlceras, furúnculos, pruridos e dermatite de contato: colocar uma colher (sopa) da planta fatiada em um copo de leite em fervura. Deixar ferver por três minutos. Coar e esperar esfriar. Aplicar nas partes afetadas, com um chumaço de algodão, pela manhã e à noite.

Contraindicações

O tratamento com a planta não é recomendado em gestantes, devido ao efeito emenagogo que a planta possui, podendo causar abortos indesejados. É necessária a atenção com a quantidade de ingestão do chá, já que de forma exagerada, pode causar diarreia e quedas bruscas da pressão arterial.

Escrito por Débora Silva

ATENÇÃO: Nosso conteúdo é apenas de caráter informativo. Todo procedimento deve ser acompanhado por um médico ou até mesmo ditado por este profissional.